Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The diary of a teenager

A girl should be two things: classy and fabulous

15
Ago19

5 coisas que aprendi em Legally Blonde

Sofia

Se me perguntarem qual é o meu filme favorito de todos os tempos, muito provavelmente não vou saber responder a essa pergunta. A verdade é que não consigo escolher apenas um, sendo assim...ao longo dos anos fui colecionando alguns dos meus favoritos e que, sem dúvida, estão no meu topo de filmes. Nessa lista está, obviamente, toda a saga de Harry Potter, Legalmente Loira e o clássico da Disney, Beauty and the Beast. Daqui posso salientar "Legalmente Loira" como o meu filme motivador, ou seja, como um filme em que vejo quando estou triste e preciso de alguma inspiração. Assim, hoje, vou partilhar convosco 5 coisas que aprendi com este filme e que se tornaram bastante úteis para o meu dia-a-dia e para várias situações em que estive envolvida.

 

legallyblondelogo_black.png

1- Nunca chorar por um rapaz

Meninas, eu sei que custa ser rejeitada ou deixada por um rapaz que pensávamos que estaria lá para vocês sempre que vocês precisassem. O pior de uma desilusão amorosa ou até mesmo de amizade (é verdade, amigos conseguem partir o nosso coração também) é o facto de ficarmos a sentir de que nós somos insuficientes porque essa pessoa nos faz acreditar nisso. Está completamente errado e este filme faz-nos ver isso. O Warren nunca acreditou que a Elle fosse inteligente, sempre olhou para ela como uma rapariga fútil e que não tinha capacidades para estar em Harvard. No final, guess what? Ela mostrou-lhe precisamente o contrário e, acima de tudo, mostrou que não precisava dele nem de nenhum outro rapaz para acreditar em si mesma. E ela tem razão, não deixem que um rapaz ou seja quem for vos defina, que vos rebaixe e diga que não são capazes de fazer x ou y, desde que vocês acreditem em vocês mesmas isso é o mais importante.

5 coisas que aprendi com (1).png

2- O verdadeiro significado de "Be kind, always"

Durante todo o filme vemos a Elle a ser desvalorizada por toda a gente que está em Harvard só porque ela é loira e bastante feminina. No entanto, ela é sempre querida com todos, nunca rebaixou ninguém e nunca fez ninguém sentir-se incapaz de realizar determinada tarefa. Até com as pessoas que a tratam mal, ela é simpática e tenta mostrar que está disponível para ajudar. Isto faz-nos ver que nunca é com maldade que se resolvem os problemas, ser gentil com outras pessoas é grátis e é disto que o mundo precisa, ou seja, de mais amor e menos ódio. Além disso, as palavras têm um poder demasiado forte e, por isso, devemos usá-las para o bem e não para o mal.

 

3- Desistir nunca é opção

Tal como já referi, a Elle não entrou propriamente com o pé direito em Harvard. Por ser loira, muito feminina e a típica rapariga de Malibu, foi julgada por todos e considerada burra. Até a sua própria professora fez com que ela se sentisse assim e eu identifiquei-me particularmente com esta situação. Quando entrei no 10º ano tive alguma dificuldade a adaptar-me, sendo que nos meus primeiros testes as notas não eram excelente, exceto a inglês e filosofia. O que aconteceu foi que no inicio do 2º Período a minha professora de biologia da altura fez um comentário em relação às minhas notas finais do 1º Período que me desmotivou bastante. Basicamente, disse-me isto: "Menina Sofia, a menina tem aqui uma grande discrepância. Notas de 18, 14 a inglês e filosofia e as disciplinas específicas baixas relativamente a estas...acha que está no curso certo, num curso intimamente ligado à saúde?" Tive de me conter o resto do dia até ir para casa e chorar. Este comentário afetou-me de uma maneira que vocês não imaginam, sobretudo porque a tal discrepância nem era assim tão elevada (eu tinha 12 à disciplina dela e 13 a português, portanto...) e eu própria já me sentia insuficiente porque sabia que conseguia muito mais do que aquelas notas. Tal como a Elle, peguei neste comentário e usei-o como fonte de motivação. Transformei o negativo em algo muito mais positivo e consegui. Assim que fomos para a parte de biologia tirei 18 e tornei-me na aluna favorita dela, o que é bastante irónico, não é verdade? Isto tudo para vos dizer que se vocês realmente gostarem do que fazem, se sentirem bem onde estão, não deixem que um comentário qualquer vos deite abaixo, não deixem que a reprovação dos outros vos impeça de perseguir os vossos sonhos. Pelo contrário, usem isso a vosso favor e provem que eles estão errados. 

 

Untitled design (1).png

 

4- A inteligência não tem forma

A Elle foi altamente gozada por ter escolhido direito só porque ela era demasiado feminina e com demasiado ar de pop star. E bem, com este filme, sem dúvida, que aprendemos que a inteligência não tem forma e não é o nosso estilo que a define. Neste caso, toda a gente achou que ela seria a típica loira burra (um esteriótipo que eu, sinceramente, nem entendo como é que ainda existe) e ela mostrou ser o oposto disso. Usou a inteligência dela e ganhou um caso em tribunal no seu primeiro ano como estudante e teve de utilizar conhecimentos da área da moda e beleza. Verdadeira definição de inspiração, não acham?

 

Untitled design.png

 

5- Tudo é possível com muito trabalho

A verdade é que a Elle não conseguiu todo este mérito caído do céu. Lutou por isso desde do inicio, vemos o empenho que colocou no seu estudo para os LSAT e também vemos o quanto trabalhou para conseguir mostrar a todos de que ela era capaz. E é isto o essencial: muito esforço. As coisas não ficam prontas do nada, é preciso meter as mãos à obra e colocar também uma grande dose de amor no que fazemos. Sejamos realistas, quando fazemos algo que gostamos temos muito mais prazer em realizar essa tarefa, portanto...para conseguirem conquistar o que realmente querem lembrem-se que têm que se esforçar para obter isso, no final vão olhar para trás e admirar tudo o que conseguiram fazer e valorizá-lo ainda mais.

 

Untitled design (3).png

 

E foram estas as 5 coisas que aprendi com Legally Blonde. Para mim, a nossa Elle Woods, é uma das personagens feministas que mais me inspira para o meu dia-a-dia e que me faz perceber que ninguém tem o direito de me fazer sentir insuficiente e nunca tenho de perseguir o rapaz errado para me sentir feliz. Se ele vos faz sentir insuficientes e não acredita em vocês, acreditem em mim...não é o rapaz certo. Para terminar, lembrem-se sempre de que é importante espalhar mais amor porque, convenhamos, ser rude não é fixe and that's the tea! Espero que tenham gostado deste post e que vos tenha dado um boost na confiança <3

6 comentários

Comentar post

PESQUISAR

A BLOGGER

SEND ME SOME LOVE

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

AESTHETIC

ARQUIVO

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D